Entre 25 de setembro e 4 de outubro, as alunas Bruna Galani da Silva e Nicole Rosner Silva, do Curso de Relações Internacionais do UNICURITIBA, participaram do 3º Estágio de Operações de Paz para Mulheres (III EOpPazFem), realizado no Centro de Operações de Paz de Caráter Naval (COpPazNav), estabelecido no Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (CIASC), no Rio de Janeiro.

O curso é uma iniciativa do Comando de Operações Navais (CON), em coordenação com o Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais (CGCFN), e tem como objetivo ampliar a participação feminina em operações de manutenção da paz.

Paralelamente, o estágio busca disseminar conhecimentos sobre o tema entre o público feminino, além de contribuir para a participação das mulheres nas missões de paz, com o intuito de que tomem postos de liderança, reforcem o empoderamento feminino e colaborem com a não violência contra a mulher como um todo.

Bruna está no 8º Período de Relações Internacionais e conta que a principal contribuição do estágio foi aproximar a teoria da prática. “Além disso, conhecer pessoas, em especial, mulheres, que participaram de Missões de Paz e vivenciaram o sistema ONU em funcionamento. Foram duas semanas imersas num estágio em que a integração civil-militar, com diferentes realidades e visões de mundo, tornou a experiência única, proporcionando os mais diversos debates”.

Para Nicole, do 4º Período, a imersão foi extremamente enriquecedora em função do contato com as Operações de Paz da ONU e em como sua realização no nível técnico-operacional complementa o estudo teórico. “Como consequência do estágio, espero que mulheres estejam cada vez mais inseridas em novos espaços, tanto como militares combatentes, quanto como militares peacekeepers, garantindo a construção de sociedades mais diversas, pacíficas e igualitárias, atuando também nos processos decisórios em âmbito internacional”.

O III EOpPazFem contou com a participação de 47 mulheres, agentes das Forças Armadas, das Forças Auxiliares e do meio acadêmico, o que colaborou para uma grande troca de experiências e conhecimentos alinhados à realidade de cada participante.

As acadêmicas também tiveram contato com mulheres pioneiras, principalmente na esfera da Marinha do Brasil, como a Contra-Almirante Dalva Maria Carvalho Mendes, primeira brasileira a ser promovida a Oficial-General; a 2º Tenente Liana de Magalhães, primeira mulher a comandar um Pelotão de Infantaria de Fuzileiros Navais no Brasil; e a Capitão de Corveta Marcia Andrade Braga, que foi assessora de gênero (gender advisor) da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA) e recentemente recebeu o prêmio de Defensora Militar da Igualdade de Gênero da ONU.

“Foi uma honra conhecer e aprender com todos os instrutores do curso, em especial a Capitão de Corveta Marcia Andrade Braga. Ela é uma inspiração, exemplo de dedicação e determinação”, exalta Bruna.

“A convivência com essas mulheres pioneiras serve de inspiração para nós”, conclui Nicole.